13
fev
09

Yeah Yeah Yeahs vs. Tom Zé

Está chegando o novo do trio nova-iorquino. Na verdade, o disco It’s Blitz! sai oficialmente dia 14 de abril, se a internet não antecipar. Enquanto isso, apenas informações oficiais, como a capa do primeiro single, que será “Zero”.

Zero x Todos os Olhos

Zero x Todos os Olhos

Essa capa me lembrou uma capa muito premiada do disco Todos os Olhos(1973), do Tom Zé. mas a capa dos americanos é muito mais fácil de deduzir e com significados mais diretos, memso assim, elas continuam mais parecidas do que o brasileiro pode prever. Com uma foto polêmica, inexplicávelmente passou pela censura da ditadura. Veja a história da foto de Reinaldo Moraes, publicada na CartaCapital [clique aqui para matéria completa]:

“Procura-se um motel. Na São Paulo de 1972 isso não é lá tão fácil de encontrar. O jeito é pegar a rodovia Raposo Tavares e afastar-se alguns quilômetros da cidade para estacionar o Fuscão 1500 bordô ao lado de caminhões que descansam sob a placa “Retiro Rodoviário”. O rapaz tem 22 anos, é cabeludo, usa faixa na cabeça e calça boca-de-sino. A moça tem vinte e poucos, é bonita, loira de cabelos compridos, tem os olhos claros, pinta de hippie e, assim como ele, é fã da Tropicália. Acessórios trazidos: uma máquina fotográfica alemã Praktika sem flash, quatro filmes Kodacolor ASA 100, dois abajures com lâmpadas de 100 W, fortíssimas, e uma caixa de… Bolinhas de gude?

Tempo de ditadura. Toda a produção cultural, letras, músicas e arte-final do LP passam por censores antes de ir às lojas. Apesar da noite no “Retiro Rodoviário” não ser a única necessária para conseguir a foto da capa do disco, um ano depois dela Todos os Olhos vem ao mundo.

Os censores não atinaram para o que seria aquele fundo róseo com uma gema ao centro. Ainda bem. Tom Zé, o artista tropicalista, sabia que a circunferência no centro da capa era uma bolinha de gude. A repousar sobre uma parte verdadeiramente íntima do corpo humano, aquela mais abaixo do final das costas.

Aos 22 anos, e diante de tamanha missão, Reinaldo pensa em Vera (nome fictício), uma namorada bissexta, para modelo. Aproveitando um clima de reconciliação, lança um “’sabe o Tom Zé?”’, para introduzir o assunto.

A sessão de fotos. No quartinho mal-arrumado do motel, Vera, empolgada, deita-se de costas na lateral da cama. No chão, as bolinhas de gude. Reinaldo posiciona os abajures na diagonal, de modo que a luz incida diretamente sobre o alvo. A lente é uma de 50 mm colocada no avesso para fazer a função de macro, e fica a apenas 20 centímetros do corpo da garota, já quase de cabeça para baixo.

Começam os problemas técnicos. A bolinha não pára. Cai, rola costas abaixo. Tentam-se novas posições. E mais outras. Nada da bolinha estacionar. Reinaldo descreve o desconforto:

– Ela ficou constrangida, quis parar, mas eu estava obstinado. Continuamos tentando. Foi bem complicado…

A bizarra cena transformou-se em mal-estar. Quando beirava o insuportável, uma das bolinhas parou quieta. Reinaldo descarregou cliques. Consumiu todos os filmes. Testou velocidades, posições da luz, enfim. Fez-se de tudo, menos sexo. Deixaram para trás um quarto cheio de bolinhas pelo chão, sem coragem de se olhar nos olhos.

– ‘Foi uma atitude poética. Como foto, algumas ficaram ótimas. Mas, mesmo nas melhores, era evidente do que se tratava.’

Décio e Marcão, o diretor de arte da agência, ficam desolados. Décio, então, pede nova tentativa ao assistente. E lá vai Reinaldo falar de novo com Vera sobre Tropicalismo… Desta vez, nada de motel. Vão à casa de uma amiga. E, antes que repetissem a luta contra a obviedade fisiológica, uma nova idéia.

Vera tem a boca grossa. Lábios cheios de carne bem rósea. Vale tentar. Ela topa. Prefere. Senta-se no chão com a cabeça jogada na cama e faz biquinho. Uma bolinha é colocada e dali não sai. Os lábios contraídos formam frisos que em muito se parecem com o que devem parecer. Uma única série de cliques basta para, finalmente, realizar a idéia de Pignatari.

Aquele não era tempo de Photoshops, e a imagem é impressa sem retoques. Uma boca se fazendo passar por seu extremo oposto. Simples assim. Nos créditos do LP (reproduzidos em sua reedição em CD) constam: direção de arte de Marcão, fotografia de Reinaldo Moraes. Vera não quis ver as fotos. Deixou pra lá. Depois de mais outras idas e vindas, também deixou Reinaldo pra lá. Ele soube que ela mora no interior de São Paulo, é dona de uma pensão e não se casou.

Já o autor da idéia, Décio Pignatari, recusa-se a comentar o fato. Interrompeu um telefonema, que atendeu desprevenido, ao ouvir as palavras Todos os Olhos:

– ‘Olha aqui! Eu já falei muito desse assunto e não tenho mais nada pra dizer sobre isso, viu?’

Desligou, solenemente, na cara. Procurado outras oito vezes em uma semana, mandou dizer pela secretária que não fala sobre isso.

Já Tom Zé ouve atenciosamente a verdadeira história da capa de disco mais importante de sua carreira. E cai numa gostosa gargalhada:

– ‘Hahaha! Então me enganaram esse tempo todo! F.d.p., me enganaram! Hahaha! …E que alívio! A moça não precisa mais ter vergonha. E pode se congratular de ter sido personagem de uma rebeldia. ‘

Ainda sob o choque da notícia, pede a capa à esposa, Neusa. Em silêncio, põe o vinil em frente aos olhos, analisa-o como se fosse a primeira vez, e matuta:

– ‘…É. Agora que você falou, dá pra viajar. Mas a gente não duvidava não… Pode ser uma boca mesmo, hehehe… Pode ser que seja mesmo, hahaha… E até ontem isso aí era oficialmente outra coisa.'”

Anúncios

2 Responses to “Yeah Yeah Yeahs vs. Tom Zé”


  1. 1 Fernando Andrade
    18/setembro/2010 às 8:22 am

    Essa capa é um plágio da capa do disco “Die grüne Reise (The green journey)”, da banda A.R. & Machines, do guitarrista alemão Achim Reichel (o “A.R.” do nome da banda). O disco é de 1971. O do Tom Zé é de 1973.

    Confira em:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Die_gr%C3%BCne_Reise_(The_green_journey)

  2. 28/agosto/2012 às 3:06 pm

    An interesting discussion is definitely worth comment.

    I believe that you ought to write more about this topic, it might not be a taboo matter
    but generally people don’t discuss these issues. To the next! Cheers!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Principais mensagens

coverblog

escolta alternaniva

Na telha

BlogBlogs

Adicionar aos Favoritos BlogBlogs
Yoomp

StatCounter

free hit counters

%d blogueiros gostam disto: